quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Um ano Novo na medida

So many stars – letra e tradução abaixo:

The dawn is filled with dreams
So many dreams which one is mine
One must be right for me
Which dream of all the dreams
When there’s a dream for every star
And there are oh so many stars
So many stars
The wind is filled with songs
So many songs, which one is mine
One must be right for me
Which song of all the songs
When there’s a song for every star
And there are oh so many stars
So many stars
Along the countless days
The endless nights
That I have searched
So many eyes, so many hearts, so many smiles
Which one to choose
Which way to go
How can I tell, how will I know
Out of oh so many stars
So many stars

(Tradução)

A madrugada está cheia de sonhos
tantos sonhos qual deles é o meu
Um deles deve ser o meu
Qual sonho entre todos os sonhos
quando há um sonho para cada estrela
E há tantas estrelas
tantas estrelas
O vento está cheio de canções
tantas canções, qual será a minha
uma delas deve ser a minha
Qual canção entre todas as canções
quando há uma canção para cada estrela
E há tantas estrelas
tantas estrelas
Por incontáveis dias
infinitas noites
que procurei
tantos olhos, tantos corações, tantos sorrisos
qual deles escolher
qual caminho seguir
Como posso dizer, como saberei
diante de tantas estrelas
tantas estrelas

entre as boas gravações dessa música, a que rivaliza com essa, na minha leiga opinião, é a da Sarah Vaughan, mas troquei de mal com ela depois de ler a biografia da Billie Holiday anos atrás. Sarah, por enquanto está de escanteio




Raros Leitores. Um ano Novo na medida Mezzo Cool Mezzo Funk

Para a Vida Moçada !!!

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Vince Guaraldi






Explorador caminhante de Vila Guilherme, bairro da zona norte paulistana, um dia topei com a "Banca do Gil", na Rua Maria Cândida. Já havia passado por ela outras vezes mas, por estar instalada numa porta, achava se tratar de uma papelaria. Só entrei quando vi alguns garotos numa certa tarde do lado de fora, falando sobre gibis. E não houve semana depois disso, em que eu não entrasse lá ao menos uma vez, nem que fosse só para conversar ou ouvir as conversas.
Mais tarde conversando com amigos que se formaram e firmaram no ensino médio, descobri que muitos frequentavam a "banca" no mesmo período e eu não me lembrava deles.
O certo é que foi lá que vi pela primeira vez, um gibi do Charlie Brown,criação do desenhista Charles M. Schulz, e que no Brasil ganhou mais fama ainda, depois da homenagem de Benito di Paula. Me lembro que era importado e usado. Estava largado no canto dos usados. Voltei tempos depois com alguns trocados, perguntei o preço e o Gil perguntou se eu queria levar? Com a minha confirmação, fez um preço irrisório, comprei e fui pela rua, folheando, querendo chegar em casa e decifrar as palavras. O gibi e o encarte do disco do Elton John, Captain Fantastic and Brown Dirty Cowboy, foram naqueles tempos, parte das minhas lições de inglês, inesquecíveis.
O desenho de Charlie Brown, acho só chegou por aqui nos 80, mesmo assim em episódios picotados pelas emissoras exibidoras.
O desenho mantinha aquela sensação de que tudo ali na turminha era um prato cheio para tratados psicológicos. E além disso,por trás das histórias, tinham aquelas pequenas células de temas jazzísticos, que hipnotizavam ainda mais. A coisa era séria.
O autor dos temas era Vince Guaraldi, músico de jazz que tinha, entre outras, feito parte do grupo do vibrafonista Cal Tjader. Guaraldi foi convidado a princípio pelo diretor Lee Mendelson, para fazer a trilha de um documentário sobre Charles Schulz. Acabou nascendo uma parceria para os especiais do desenho dos fins de ano.
Os temas compostos acabaram virando clássicos natalinos para os americanos, ofuscando o que o músico fizera anteriormente em sua carreira. Embora isso pareça afastá-lo do mundo do jazz, há uma turma que nos últimos tempos tem visitado sua obra para os desenhos de Charlie Brown.
Wynton Marsalis o fez em Joe Cool's Blues, e David Benoit fez o mesmo caminho o ano passado em Jazz for Peanuts.
Mesmo assim, para provar que Vince Guaraldi não é só os temas do desenho, eis que sai lá fora, uma compilação do pianista, de dar inveja. Claro com um tema ou outro do desenho.Quem sabe, eu não volte à andar por Vila Guilherme, pela Maria Cândida e não encontre o cd, na parte de usados da "Banca do Gil", daqui há algum tempo?

Wynton Marsalis


David Benoit


e claro




mais uma dica hein Papai Noel?

domingo, 20 de dezembro de 2009

ELA

'Cença

Para Teca


Chove muito agora/ muitas nuvens pesadas/ mas depois/ entre ciciar de cigarras, quem sabe/ o sol de novo estalando seu brilho/ você não aceite sair para brincar.novamente.

Ela
Queria ter tido um filho com a minha cor. Faz aniversário no mesmo dia do meu avô Augusto. As crianças gostam dela. Não gosta de músicas cantadas em inglês. Prefere MPB e alguns sertanejos. Engasga às vezes quando ri muito. Se assusta com alguns filmes. Tem as caixas das temporadas de Sex and the City mas assisti as reprises na tv.Estudou muito, conhece todas as orações subordinadas e figuras de linguagem. Faz perguntas durante os filmes.Queria ter feito Medicina.Trabalha muito.Gosta da família à exaustão. Quando encarna, sai de baixo. Tem gosto sazonais, já houve a temporada do mel do Mosteiro de São Bento por exemplo.Tem muitos sapatos.Não está nem aí para a Internet e nem para esse blog.Gosta de massagens nos pés.Adora praia. É mais inteligente que imagina, mas tem vergonha . Gosta de batata doce com leite. Não gosta de futebol mas, de alguns jogadores. É positiva. Adora queijo Minas, vinho tinto suave, suco de uva. Devora melancias.Vê novela. Cansou de ler. Acho que ainda quer dançar.Deu o "sim" mais enigmático. Perguntou se
Eu
voltaria na terça. e Eu
queria ter tido uma filha com a cara dela.

e se eu disser à vocês que usei parte de algumas falas dessa cena, para digamos assim, "chamar a atenção" dELA, só que na PUC, pois é.





quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Quase Ode à Clarice


parte da entrevista de Clarice Lispector para Julio Lerner, falando do livro A Hora da estrela, seu último trabalho. Ela faleceria logo em seguida à essa entrevista.


O primeiro livro de Clarice Liospector que li foi A hora da estrela. Antes vieram as crônicas que ela escrevia para o Jornal do Brasil e mais tarde uma entrevista para Julio Lerner da Tv Cultura de São Paulo e o Caso Especial na Tv Globo baseado no conto, Feliz aniversário.
A impressão era de tristeza e amargura sempre, ainda é. Uma profusão de sentimentos, ou aquela sensação diante da beleza que me paralisa e me entristece. Fui entrando pelos textos de Clarice, pelo não menos densos, contos de, A cidade sitiada, Laços de família e A legião estrangeira.
As palavras não me incomodavam.O incômodo vinha das situações estampadas, das reflexões e da tristeza, sentimento confirmada quando assisti a entrevistada dada à Júlio Lerner. Mas estava picado para sempre pela obra da escritora, e fazer com os livros dela o que faço com os de Machado de Assis, ler algum deles ao ano, qualquer um. O escolhido desse ano foi a coletânea dos artigos que ela escreveu para o Jornal do Brasil, A Descoberta do mundo, a edição que possuo da Editora Nova Fronteira é de 1984, um calhamaço de mais de 400 páginas, delírio.
Benjamim Moser, escritor, crítico e tradutor americano, já escreveu para o New York Times, se apaixonou por Clarice Lispector ao ler, A Hora da Estrela. Acaba de chegar ao Brasil, Clarice, (leia-se, Clarice Vírgula), saiu aqui pela Editora Cosac Naify, custando alguns contos, mais de 500 páginas mostrando dramas e explicando muito da latente tristeza e beleza dos textos de Clarice.
Há aqueles que acham que se ela escrevesse em outro idioma, teria tido mais "sucesso", o texto abaixo, escrito por ela, é uma resposta para "esses que aí estão".


Esta é uma confissão de amor: amo a língua portuguesa. Ela não é fácil. Não é maleável. E, como não foi profundamente trabalhada pelo pensamento, a sua tendência é a de não ter sutilezas e de reagir às vezes com um verdadeiro pontapé contra os que temerariamente ousam transformá-la numa linguagem de sentimento e de alerteza. E de amor. A língua portuguesa é um verdadeiro desafio para quem escreve. Sobretudo para quem escreve tirando das coisas e das pessoas a primeira capa de superficialismo.

Às vezes ela reage diante de um pensamento mais complicado. Às vezes se assusta com o imprevisível de uma frase. Eu gosto de manejá-la – como gostava de estar montada num cavalo e guiá-lo pelas rédeas, às vezes lentamente, às vezes a galope.

Eu queria que a língua portuguesa chegasse ao máximo nas minhas mãos. E este desejo todos os que escrevem têm. Um Camões e outros iguais não bastaram para nos dar para sempre uma herança da língua já feita. Todos nós que escrevemos estamos fazendo do túmulo do pensamento alguma coisa que lhe dê vida.

Essas dificuldades, nós as temos. Mas não falei do encantamento de lidar com uma língua que não foi aprofundada. O que recebi de herança não me chega.

Se eu fosse muda, e também não pudesse escrever, e me perguntassem a que língua eu queria pertencer, eu diria: inglês, que é preciso e belo. Mas como não nasci muda e pude escrever, tornou-se absolutamente claro para mim que eu queria mesmo era escrever em português. Eu até queria não ter aprendido outras línguas: só para que a minha abordagem do português fosse virgem e límpida.





que dica hein Papai Noel ?

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Querido Papai Noel



Querido Papai Noel

acho que fui um bom menino.respeitei meus pais, irmãos,amigos, colegas e vizinhos.
falei alguns palavrões é certo, alguns cabeludos, mas observe que eles foram proferidos quando um certo time de futebol jogava, e eram dirigidos a certos pernas-de-pau, que "ousaram" vestir o manto sagrado do Todo Poderoso.
mas separei e leve o lixo para fora. desliguei a torneira enquanto escovava os dentes, evitei pisar "nas grama do jardim", salvo os dias em que frequentei os parques da cidade, não atirei pedras em animais, enfim, quase um santo.
Por conta disso, ou por em parte disso, Nobre Santa, fiquei sabendo, e talvez você também saiba, que a gravadora Verve, aquele selo de jazz classudo, lançou um caixa de Ella Fitzgerald com 4 cds e com um livro bacana com fotos. A gravadora falou que é um material nunca lançado,se eu acredito em você, não acreditaria neles ?
O material é de apresentações d'ELLA num clube de jazz da California,quando ainda não era governada pelo "amigo" do "Sierra". Coisa fina, dá só uma olhada na cara do Duke Ellington, encantado com ELLA.O título da caixa é Twelve Nights in Hollywood, anote aí no seu caderninho.
Por isso meu caro Noel, se você achar que eu mereça, por favor,minha parte de presentes na árvore ainda está fraca, pensa direitinho aí.
Obrigado e bom trabalho e pense em todos e um abraço para o dono do aniversário mais importante deste mês.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Mos Def


Quando eu já me recuperava do remorso, de não ter insistido mais com a bilheteria do Sesc Santo André, ou mesmo ter ido lá e só ouvir o "som" do show, que ele deu semana passada por lá, eis que a televisão me move de novo para o cadafalso do arrependimento.
Fizeram um mini festival, do cantor e ator Mos Def, na madrugada sem sono deste fim de semana, com dois trabalhos para o cinema.
O primeiro, que teve até direito a uma sessão no SBT, foi o remake de Um golpe à italiana, que na primeira versão, em 1969, tinha Michael Caine no papel principal, rebatizado de Uma saída de mestre numa produção de 2003. Aqui os companheiros de elenco de Mos, são Charlize Theron, Mark Wahlberg, Donald Sutherland e Edward Norton.
E para me cutucar ainda mais, a zézima reprise de 16 Quadras, com Bruce Willis no elenco, e um filme que gosto mais da atuação de Mos. Mas aqui o falante, Eddie Bunker cabe de forma correta para Mos Def, tão falante quanto o personagem e cheio de tiradas.
O ator, cantor, tem mais de uma dezena de filmes na carreira, até já dirigiu um documentário sobre as condições de vida das pessoas nas favelas brasileiras, entrevistando Mv Bill. Sua música, ao contrário de outros rappers, não destrata as mulheres e o sujeito tem posições políticas firmes.
Seus mais recentes filmes foram Rebobine por favor e Cadillac Records, onde ele faz o papel de Chuck Berry. Chuck Berry que é parâmetro do seu personagem em 16 Quadras, por um dia ter roubado e mudado de vida completamente.
Se não deu para ir ao Sesc, ao menos deu para sentir um gostinho da atuação do moço, Mos.
e aqui o rapaz com o parceiro Talib Kweli, parte da banda The Roots, e servindo de backing vocals as "tetéias" do The Dirty Projectors, Amber Coffman e Haley Dekle

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Mexendo nos vinis






Um dos trabalhos mais interessantes de se ouvir de Tom Jobim, é Urubu. E leva-se em conta que ele está situado, em termos de lançamento, entre outros três que merecem destaque na discografia do maestro, que são, Matita Perê, Elis & Tom e Terra Brasilis.
As orquestrações, e os arranjos sofisticados por conta da regência de Claus Ogerman, demonstram parte da influência das músicas de Debussy e Villa-Lobos na obra de Tom Jobim. Além de Tom, participam do trabalho,o baixista Ron Carter,o baterista João Palma e a percussão de Ray Armando. As gravações foram realizadas em Nova York no ano de 1975.
A presença do Tom mais bossanovista, com outro com um acento mais clássico, pode ser verificada por conta de faixas como Lígia, Ângela, Arquitetura de morar e Saudade do Brasil.
A faixa de abertura é O Bôto,parceria de Tom Jobim com Jararaca, ponta de uma das duplas que formaram com Ranchinho, a faixa conta ainda com a participação de Miúcha.
Há um silêncio que acompanha o espanto do homem diante da floresta e suas movimentações, a reverência que muitos demonstram diante de Urubu, é quase o mesmo.


Urubu

Texto da contracapa
Antonio Carlos Jobim

Jereba é urubu importante como, aliás, todo urubu. Mas entre eles, urubus, observam-se prioridades. E esse um é o que chega primeiro no olho da rês. Sem privilégios. Provador de venenos, sua prioridade é o risco. O que ele não toca é intocável. Jereba é urubu importante e por isso ganhou muitos nomes. Peba. Urubupeba. Urubu Caçador. Achador. Urubu Procurador. Urubu de Cobra. Urubu de Queimada. Camiranga. Urubu de Ministro. De cabeça Vermelha. Urubu Gameleira .Urubu Peru. Perutinga. Urubu Mestre. Cathartes Aura.

Não confundir com Urubu Rei. Nem é Urububu. Não tem pompas, nem é tão igual assim. Só se parece consigo mesmo.
Não é Urubutinga. Nem Urubu do Mar, Carapirá. Nem o de Cabeça Amarela, nem o famoso Urubu Chacareiro, que voa baixo sobre chácaras e quintais, só come manga e não existe. É mentira de caçador perna-de-pau, de cadeira de balanço, de aposentada carabina.
Nem mera citação de nomes - Urubu Sonho. Nem conotação de azar - Urubu Morcego. Na verdade não és culpado da nossa devastação. Corcovado de duas corcovas, solenes ombros altos de tanta asa sobrante, as mãos cruzadas às costas, narinas conspícuas vazadas, grave, ministro de assuntos impossíveis, só tu sentas à mesa com o Rei.
No chão não te moves bem. Fraco de pernas, maljeitoso, troncho, pousado és o mais feio dos urubus. Despropositado passarão.
Matas com fezes ácidas a árvore onde dormes à espera do dia solar. E vem o dia, as termais e o vento, e a necessidade de voar.
Dia velho, as asas aquecidas, o Jereba mergulha na piscina. Pé de serra, fim de baixada onde começa a ladeira e os contrafortes azulam na distância, o Jereba sobe na chaminé do dia. Urubupeba. As rêmiges das asas púmbleas, prata velha fosca, dedos de mão apalpando o vento, adivinhado tendências. Urubu Mestre. As grandes asas expandidas cavalgam as bolhas de ar quente emergentes da ravina. Tolo papagaio, tola pipa boiando no ar, não-querente, não desejo navegante, à deriva, à bubuia - pois sim! - preguiçoso atento dormindo na perna do vento. Esse sabe o que há de vir. Aquário do céu.
Teu canto imita o vento. Hisss... As asas agora curtas, sobraçando trilhos de ar, pacote negro compacto, bico cravado no vento, velocidade feita letal, muro de azul aço abstrato - e adeus viola que o mundo é meu.
Nas lentes dos olhos, a águia oculta y entrabas e salias por las cordilleras sin pasaporte.
Urubu procurador. Urubu Achador. Que sabes do alto o que se esconde no chão da mata virgem e dos muitos perfumes que sobem do mundo.
Eterno vigia de um tempo imperecível. Guardião de dois absurdos.
Nos vetustos paredões de pedra, esculpidos pela millennia, dorme de perfil um urubu.
A vida era por um momento.
Não era dada. Era emprestada.
Tudo é testamento.

Antonio


Urubu
(1976)

1. Boto 2. Lígia 3. Correnteza 4. Angela 5.Saudade do Brazil
6. Valse 7. Arquitetura de morar 8. O homem

Mexer nos vinis e perceber Tom Jobim na lista da discoteca, dá um certo orgulho, um sentido de brasilidade moderna, um Brasil melhor e possível



terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Copiado na caruda

Artigo da Revista Forum

Acadêmicos amestrados

Por Idelber Avelar [Quarta-Feira, 2 de Dezembro de 2009 às 16:26hs]

Se um marciano aterrissasse hoje no Brasil e se informasse pela Rede Globo e pelos três jornalões, seria difícil que nosso extra-terrestre escapasse da conclusão de que o maior filósofo brasileiro se chama Roberto Romano; que nosso grande cientista político é Bolívar Lamounier; que Marco Antonio Villa é o cume da historiografia nacional; que nossa maior antropóloga é Yvonne Maggie, e que o maior especialista em relações raciais é Demétrio Magnoli. Trata-se de outro monólogo que a mídia nos impõe com graus inauditos de desfaçatez: a mitologia do especialista convocado para validar as posições da própria mídia. Curiosamente, são sempre os mesmos.

Se você for acadêmico e quiser espaço na mídia brasileira, o processo é simples. Basta lançar-se numa cruzada contra as cotas raciais, escrever platitudes demonstrando que o racismo no Brasil não existe, construir sofismas que concluam que a política externa do Itamaraty é um desastre, armar gráficos pseudocientíficos provando que o Bolsa Família inibe a geração de empregos. Estará garantido o espaço, ainda que, como acadêmico, o seu histórico na disciplina seja bastante modesto.

Mesmo pessoas bem informadas pensaram, durante os anos 90, que o elogio ao neoliberalismo, à contenção do gasto público e à sanha privatizadora era uma unanimidade entre os economistas. Na economia, ao contrário das outras disciplinas, a mídia possuía um leque mais amplo de especialistas para avalizar sua ideologia. A força da voz dos especialistas foi considerável e criou um efeito de manada. Eles falavam em nome da racionalidade, da verdade científica, da inexorável matemática. A verdade, evidentemente, é que essa unanimidade jamais existiu. De Maria da Conceição Tavares a Joseph Stiglitz, uma série de economistas com obra reconhecida no mundo apontou o beco sem saída das políticas de liquidação do patrimônio público. Chris Harman, economista britânico de formação marxista, previu o atual colapso do mercado financeiro na época em que os especialistas da mídia repetiam a mesma fórmula neoliberal e pontificavam sobre a “morte de Marx”. Foi ridicularizado como dinossauro e até hoje não ouviu qualquer pedido de desculpas dos papagaios da cantilena do FMI.

Há uma razão pela qual não uso aspas na palavra especialistas ou nos títulos dos acadêmicos amestrados da mídia. Villa é historiador mesmo, Maggie é antropóloga de verdade, o título de filósofo de Roberto Romano foi conquistado com méritos. Não acho válido usar com eles a desqualificação que eles usam com os demais. No entanto, o fato indiscutível é que eles não são, nem de longe, os cumes das suas respectivas disciplinas no Brasil. Sua visibilidade foi conquistada a partir da própria mídia. Não é um reflexo de reconhecimento conquistado antes na universidade, a partir do qual os meios de comunicação os teriam buscado para opinar como autoridades. É um uso desonesto, feito pela mídia, da autoridade do diploma, convocado para validar uma opinião definida a priori. É lamentável que um acadêmico, cujo primeiro compromisso deveria ser com a busca da verdade, se preste a esse jogo. O prêmio é a visibilidade que a mídia pode emprestar – cada vez menor, diga-se de passagem. O preço é altíssimo: a perda da credibilidade.

O Brasil possui filósofos reconhecidos mundialmente, mas Roberto Romano não é um deles. Visite, em qualquer país, um colóquio sobre a obra de Espinosa, pensador singular do século XVII. É impensável que alguém ali não conheça Marilena Chauí, saudada nos quatro cantos do planeta pelo seu A Nervura do Real, obra de 941 páginas, acompanhada de outras 240 páginas de notas, que revoluciona a compreensão de Espinosa como filósofo da potência e da liberdade. Uma vez, num congresso, apresentei a um filósofo holandês uma seleção das coisas ditas sobre Marilena na mídia brasileira, especialmente na revista Veja. Tive que mostrar arquivos pdf para que o colega não me acusasse de mentiroso. Ele não conseguia entender como uma especialista desse quilate, admirada em todo o mundo, pudesse ser chamada de “vagabunda” pela revista semanal de maior circulação no seu próprio país.

Enquanto isso, Roberto Romano é apresentado como “o filósofo” pelo jornal O Globo, ao qual dá entrevistas em que acusa o blog da Petrobras de “terrorismo de Estado”. Terrorismo de Estado! Um blog! Está lá: O Globo, 10 de junho de 2009. Na época, matutei cá com meus botões: o que pensará uma vítima de terrorismo de Estado real – por exemplo, uma família palestina expulsa de seu lar, com o filho espancado por soldados israelenses – se lhe disséssemos que um filósofo qualifica como “terrorismo de Estado” a inauguração de um blog em que uma empresa pública reproduz as entrevistas com ela feitas pela mídia? É a esse triste papel que se prestam os acadêmicos amestrados, em troca de algumas migalhas de visibilidade.

A lambança mais patética aconteceu recentemente. Em artigo na Folha de São Paulo, Marco Antonio Villa qualificava a política externa do Itamaraty de “trapalhadas” e chamava Celso Amorim de “líder estudantil” e “cavalo de troia de bufões latino-americanos”. Poucos dias depois, a respeitadíssima revista Foreign Policy – que não tem nada de esquerdista – apresentava o que era, segundo ela, a chave do sucesso da política externa do governo Lula: Celso Amorim, o “melhor chanceler do mundo”, nas palavras da própria revista. Nenhum contraponto a Villa jamais foi publicado pela Folha.

Poucos países possuem um acervo acadêmico tão qualificado sobre relações raciais como o Brasil. Na mídia, os “especialistas” sobre isso – agora sim, com aspas – são Yvonne Maggie, antropóloga que depois de um único livro decidiu fazer uma carreira baseada exclusivamente no combate às cotas, e Demétrio Magnoli, o inacreditável geógrafo que, a partir da inexistência biológica das raças, conclui que o racismo deve ser algum tipo de miragem que só existe na cabeça dos negros e dos petistas.

Por isso, caro leitor, ao ver algum veículo de mídia apresentar um especialista, não deixe de fazer as perguntas indispensáveis: quem é ele? Qual é o seu cacife na disciplina? Por que está ali? Quais serão os outros pontos de vista existentes na mesma disciplina? Quantas vezes esses pontos de vista foram contemplados pelo mesmo veículo? No caso da mídia brasileira, as respostas a essas perguntas são verdadeiras vergonhas nacionais.

Essa matéria é parte integrante da edição impressa da Fórum de novembro. Nas bancas.

Idelber Avelar

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Pitacos Esportivos


O agora defenestrado Wanderley Luxemburgo, certa vez para se referir ao zagueiro sem firulas, criou o termo, "Zagueiro-Zagueiro", pois desde ontem há um outro, incorporado ao futebol, "Negro-Negro".
Ouvindo de passagem sei lá que comentarista, ouvi dele, que Andrade, campeão pelo Flamengo, é o primeiro técnico negro campeão brasileiro, por ser, negro puro, com pais, pai e mãe, negros.
Logo eu que achava, que era exatamente Luxemburgo, o dono dessa honra, nem isso Luxa, tiraram de você.
Logo ele, Luxemburgo, um reserva mediano, de Junior, lateral esquerdo do ótimo Flamengo, do final do 70, até meios dos 80, cujo apelido era "Capacete", por usar black power, o mesmo corte usado por Luxemburgo, que quando entrava, devia ser localizado pela visão periférica de Andrade, o agora primeiro técnico negro, blá, blá, blá, justamente pelo seu "black".
Pureza raciais de lado, se é que elas existem, o Flamengo, São Paulo e Internacional, mostraram, ao lado de Cruzeiro, Avaí, Atlético Mineiro, mais comprometimento com a competição do que os outros clubes, um salve aqui também para o Fluminense, que derrubou, "estatísticos", "comentaristas" e "matemáticos", os "especialistas" de sempre.
Há até um discussão, de perdedores, que campeonato de pontos corridos, não empolga. Mas é mais justo.
Vale lembrar, que muita gente graúda, e empresa que tem os direitos do campeonato, pensa do mesmo jeito, quer audiência para o evento e pensa em forçar os clubes, para os Mata-mata. A mesma empresa, que tenta nos empurrar, que o Flamengo é time de todo mundo. Mas, é também a mesma empresa, onde um de seus diretors tenta explicar, suas teorias sobre o "não racismo" brasileiro. Com a palavra, Jorge Andrade da Silva, o Andrade, o primeiro técnico, em 38 anos de brasileiro, "negro-negro".

Samba Rubro negro, com a letra original


Samba Rubro negro com adaptações na escalação com alguns nomes do time dos 80

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Casa comida e carinho


De inxerido que sou, bati os olhos num comentário do Twitter do Sidnei, o moço do Monólogo aí à direita. Ele reclamava da programação de filmes do canal TCM, que assim como o Telecine Cult, resolveu achar que os anos 80, é que são, o Ò do Borogodó em termos de filmes clássicos.
Por conta do aniversário da dona do Jardim ai à direita também, mandei para ela uma cena do filme, Casa, comida e Carinho (Summer Stock), um filme de 1950, com Judy Garland e Gene Kelly, para dançar com ela virtualmente. Acabamos falando sobre o filme e nos lembrando que muitos desses filmes eram vistos na, imprescindível, Sessão da Tarde, ou eram exibidos como o último programa, antes das emissoras encerrarem a programação, já que elas não ficavam 24 horas no ar.
Hoje em dia até a programação dos filmes, parece, perdeu a graça. Os programadores, combinam até na mediocridade. Mesmo as tvs pagas, cansam com a repetição, e a limitação de temas, como as comédias românticas, os filmes para adolescentes, não salva quem, só para não fazer nada, espera assistir um filme interessante na telinha.
Quando foi chamado para fazer, Casa, comida e carinho, Gene Kely só aceitou por conta de Judy Garland, para ajudá-la. Era o último filme dela pela MGM, ela foi demitida antes dos início das filmagens. enfrentava problemas com as drogas, e aparecia cansada durante os ensaios.
Só sabe disse, cinéfilo mais curioso, porque vendo o filme, ele é um dos mais deliciosos musicais de se ver, e não transparece nenhum desses dramas, ao contrário. Os números de dança, corretos e clássicos, estão entre as melhores coreografias do cinema musical. A direção foi de Charles Walters e a maioria das composições ficaram a cargo de Saul Chaplin, Harry Warren e o letrista Mack Gordon, com a Orquetra da MGM dando apoio. Recentemente a trilha sonora foi remasterizada e foi relançada,....lá fora.
Gene Kelly é Joe Ross,um diretor da Broadway sem dinheiro e sem teatro para ensaiar. Acaba aceitando o convite da noiva, interpretada por Gloria Dehaven, que oferece o celeiro da fazenda do pai como local para ensaios.O confronto da vida dos habitantes do lugar e os artistas, é que vai dar parte da graça na história. Judy Garland é a irmã da noiva de Gene Kelly, paro por aqui.
Gene Kelly e Judy Garland, repetem o sucesso de "O Pirata", e "Idílio em Dó, ré, mi". Pena, que não haja mais programadores corajosos por aí.




Forget the troubles, come on GET HAPPY.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Dia Nacional do Samba



Samba é meu dom

Wilson das Neves/ Paulo Cesar Pinheiro

Aprendi bater samba ao compasso do meu coração
De quadra, de enredo, de roda, na palma da mão
De breque, de partido alto e o samba canção

O samba é meu dom
Aprendi dançar samba vendo samba de pé no chão
No Império Serrano a escola da minha paixão
No terreiro, na rua, no bar, gafieira e salão

O samba é meu dom
Aprendi cantar samba com quem dele fez profissão
Mário Reis, Vassourinha, Ataulfo, Ismael, Jamelão
Com Roberto Silva, Sinhô, Gonga, Ciro e João Gilberto

O samba é meu dom
Aprendi muito samba com quem sempre fez samba bom
Silas, Zinco, Aniceto, Anescar, Cachinê, Jaguarão
Zé com Fome, Herivelto, Marçal, Mirabeau, Henricão

O samba é meu dom
E no samba que eu vivo do samba que eu ganho meu pão
E é no samba que eu quero morrer de baquetas na mão
Pois quem é do samba meu nome não esquece mais não


terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Jenna Jameson

Quando ela apareceu na indústria pornô, arrebatou no primeiro ano, os prêmios de revelação e melhor atriz. A moça impressionava.
Os anos seguintes fariam dela, referência para as atrizes que iam aparecendo, é assim até hoje. Numa busca por referências sobre a indústria, ela só perde para o longevo, Ron Jeremy. Quando percebeu, que era ela, e não os marmanjos, que a rodeavam, que fazia o dinheiro brotar de seus filmes, tomou as rédeas da carreira. Virou produtora, diretora, empresária de sucesso, mulher de negócios.
Virou celebridade em Hollywood, circula por todos os cantos. Quando quis engravidar, e foram dez anos de tentativas, retirou as protéses dos seios, de silicone, para não sofrer abortos espontâneos. Fez campanha para a Peta(People for the Ethical Treatment os Animals). Escreveu um livro, Como fazer amor como uma porno star. Se espantou com o número de mulheres na fila dos autógrafos, e finalmente, teve os desejados filhos, gêmeos.
Cansou e foi embora, curtir, família, e os milhões de dólares acumulados.
Deu entrevista para Oprah Winfrey, semana passada, que passou no Brasil hoje. A marmanjada, adorou, e agradece. Boa Sorte.

sábado, 28 de novembro de 2009

(In)Satisfação garantida


Embora já tenha mostrado o contrário comigo, desde pequeno ouço o slogan, "Não deformam, nem soltam as tiras". Acreditei.
Voltei para casa depois de uma caminhada sob mormaço sabatino, com as sandálias nas mãos e pisando o asfalto esfacelado paulistano e suas calçadas, cada uma com seu declive, desenho e material.
"Satisfação garantida ou seu dinheiro de volta". Acreditei.
Mas foi um começo de fim de semana de quebra de credibilidade. Se eu já não levava fé no slogan da sandália, outros slogans acabaram, por me deixar com uma sensação esquisita na boca do estômago. "De rabo preso com o leitor". Quem no final dos 70 começo dos 80 não acreditaria ? Quem não entrou nessa pendenga Folha x Estadão, embora,ler o Estadão de domingo e seu caderno cultural fosse obrigatório antes do advento Caderno 2 ? Acreditei.
"Alfreeedoooooo". Alguém por favor nos salve ou nos explique. Quem não acha engraçadinho os slogans que a publicidade brasileira nos aborda, colocando-os no nosso inconsciente ? Acreditei.

Quem em sã consciência não assoviou, andando por um naco da orla marítima, com aquelas sandálias,aquele jornalão debaixo do braço,uma canção bossanovista, de um antigo compositor brasileiro. Acreditei.

Mas vou repensar.
Meus próximos passos. Minhas próximas leituras e, minhas próximas "defecadas".

A dona do Jardim

Rezam meus olhos quando contemplo a beleza
A beleza é a sombra de Deus no mundo
(Helena Kolody)




Criei um acervo de delicadezas. Está em algum ponto de minha memória.Recorro à ele, quando me encontro tristão, malzão, ou quando alguma grossura, só para ficar numa expressão suave, me é dirigida. Aí, vou ao meu acervo e pesco lá alguma situação onde me sinto tão bem, que só a lembrança dela ter existido em minha vida, já justifique eu ficar melhor, diante da situação negativa.
Essa foto em p&b aí abaixo é um dos itens de minha memória ao qual recorro para me valorizar de vez em quando. E confesso não gosto nada de ser fotografado, devo ter sido convencido pela fotógrafa, com algum dos seus sorrisos de derrubar muralhas. Ela, a foto, quando a mostro para outros amigos é a síntese de minhas amizades ao longo da vida. Todos os amigos estão representados ali, amigos de A a Z. De Amaral à Zé Vieira.
Zé Vieira, ele mesmo, que aí na foto postado ao meio, analisou, `a la Roland Barthes, o filósofo francês, que o punctum da foto é minha postura provocativa em direção à fotógrafa.
Não deve ser. Embora a primeira vez que eu a tenha visto, a fotógrafa, houve um certo constrangimento de minha parte, só de minha parte reafirmo. Me senti como um dos retratados de Debret. Um negro em meio a realeza. Ao vê-la pensei: Eu muito black/ ela muito branca, um verso que seria modificado um tempo depois. Estávamos então, entre pratos azuis de merendas, pajens, e uma revoada de funcionários públicos, uma algazarra, que o sorriso matador dela, fez questão de confirmar, quebrando a formalidade das apresentações e determinando para mim definitivamente, que a beleza tem lá suas tristezas, apesar de fugirmos dela. E eu sem saber, que ali naquele momento estava ganhando mais um item para o meu acervo de delicadezas, item ao qual recorreria algumas vezes.

Pois não é só essa foto que minha memória pega na pasta da Tãnia, a fotógrafa e a mulher da foto abaixo, em algumas situações negativas para levantamento de moral, de tomar aquele sacolejo e pensar, "Peraí, se ela me colocou bacanudo na foto, alguma coisa há". Ou quando uma vez, saímos para almoçar. Ela, marido e eu. O marido então talvez mais faminto, naquele momento do que nós, começou a subir as escadas do restaurante, pulando os degraus, no que ela soltou um, "Esse seu amigo !!". Subimos as escadas devagar. E para lembrar, ela na ocasião carregava uma barriga, de sete ou oito meses, o lépido Gabriel. Chegamos ao alto da escada quase de mãos dadas. Eu muito black/Ela muito branca, olhares curiosos de soslaio sobre nós. Pedi perdão ao amigo, empertiguei o peito, e lá no fundinho do coração, soltei para mim. "Morram invejosos, vou atravessar o restaurante ao lado dessa mulher bonita, não se engasguem !!"
E eu conheço alguns sorrisos matadores dela. Aí Tanitcha !!!!, e desculpas, roubei esta foto.


E Ella Fitzgerald está aqui por conta de um catálogo e ambientação inventada para as fotos de crepúsculos que Tãnia executou. O texto, um dos que mais me orgulho de ter escrito, se perdeu por ai, por conta do meu desleixo. E misturava as fotos dela, Tânia, com Ella, Blue Skyes era uma das músicas que coloquei na trilha da "exposição" inventada.




Por isso, desde já, neste fim de semana tem pajelança especial.

sábado, 21 de novembro de 2009

O que bastava



Tenho a impressão que bastava ter me matriculado num dos cursos do Senac Saúde, aquela unidade que fica na Avenida Tiradentes, no bairro da Ponte Pequena em São Paulo.
Por conta de sua apresentação neste fim de semana na cidade, a cantora Joss Stone, fez umas pequenas exigências, por cantar sempre de pés descalços.
Pedra-pomes, toalhas para os dedinhos e massageador elétrico.
Me bastava ter sentado a bunda no curso de podólogo da unidade e seria, hoje um candidato, ao cargo de podólogo-chefe da turnê da moça. Com direito a mostrar à ela, que não tem sentido essa história de.... massageador elétrico.

e ela ainda canta, Put your hands on me.....




e tem quem ache que o melhor emprego do mundo é cuidar de uma ilha no Pacífico

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Uns nêgo véio

Alguns Ingredientes para formação de um neguinho

ou também

quem sai aos seus não degenera


"Naquele tempo
eu gostava dos Beatles
mas tinha uns nêgo véio
que gostava muito mais
sempre que podia
ia ao campinho
jogar meu futebolzinho
aquelas coisas de rapaz"

eu achava que essa letra era de uma música do Luis Wagner, mas pesquisas dos últimos dias,me deixaram a ver navios,não sei nem o nome e nem quem a cantava. parte da letra aí está




Amany, Ruy, Ayse,Ainah e Solange



















Tio Paulo
Tio Zeze, Tia Ignes
Dindara,Zé Antônio,Adunbi e Solange








músicas para sacolejo










e avós pai e mãe irmã tios tias primos primas amigos

Les Pitacos

A manchete do dia nos jornais franceses não poderia ser outra. Fazem alusão ao gol de Maradona na copa de 86. Criaram a versão francesa para a "Mano de Dios", "Le main de Dieu", sobre a jogada de Henry no gol que classificou a França para a Copa do ano que vem.

Depois de ler um e-mail de Zé Amaral, claro.

Pequena lição de futebol para Gabriel e Tomás

Futebol foi inventado pelos ingleses, aqueles empoladinhos.
_ O que são empoladinhos ?
Perguntem ao papai, se ele não souber, perguntem para a mamãe, ela sabe , e aí é outra lição, elas sempre sabem.
Voltando, foco. Futebol, palavra inglesa, veio de football. Foot = pés, pé, e ball= bola. Só os goleiros podem pegar a bola com as mãos durante as pelejas.
_ O que são pelejas ?
Perguntem ao...vocês já sabem quem.
Alguns esportes são jogados com as mãos. Basquete,vôlei, handbol, sacaram aqui, hand= mão, ball= bola, e boxe. As vezes as modalidades se fundem. Uns jogadores de futebol, pegam com a mão, quando não deviam, chutam outras balls e usam as mãos para "afastar" os companheiros, ou os adversários, gentilezas da contenda. Iiiii, contenda ? Mas continua sendo o famoso e glorioso, esporte bretão.
_ O que são, contenda, e esporte bretão ?
Bem.... vocês sabem.

Avec les pieds


Avec les mains







só para lembrar. o campeonato francês de futebol é um dos mais chatos que existem. e a seleção francesa, exceção um ou outro e com todo seu arregimentado de imigrantes e filhos de, joga um futebol tão chato quanto seu campeonato. os irlandeses,embora sejam reconhecidos por sua retranca secular, são mais divertidos, e mereciam melhor sorte.


40 anos - Milésimo gol de Pelé -Pour les petites enfants



_ Sei lá.....MIL COISAS!

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Woody Allen,"um cineasta pequeno"


Na confusão que se formou em torno da opinião de Caetano Veloso sobre Lula, uma outra, passou desapercebida. A opinião dele sobre Woody Allen.
"É um careta, um cineasta pequeno"
"Gay,maconha, rock, tudo isso é deprezado por ele"
"sempre muito anti-sixties. muito hetero."
"um tanto reacionário", são algumas das frases usadas pelo compositor para desfilar sua opinião.
Pois à partir de hoje até o dia 13 de dezembro, já se sabe onde não se trombar com o "artista", "cineasta" e "pensador", Caê.O Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio e em São Paulo,exibem mais de 20 filmes do diretor, desde do começo de sua carreira.
Filmes como, Bananas, O dorminhoco, Manhattan e Hannah e suas irmãs, entre outros, estão na programação
Que se use essa mostra, quem ainda não o fez, para conhecer a obra do cineasta. E também para fugir de Caetano.

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Betty, Geisy, Angela e o crack


Para reflexão. Ou de como uma coisa puxa outra




Estou preparando um texto da série Mexendo nos vinis, aqui desse blog. Provavelmente Betty Wright, o álbum, Betty Wright Live. Em meio a pesquisa, fui me lembrando de parte das letras da moça. Falando sobre as mulheres, orientando-as, consolando-as, contando suas histórias.
Uma coisa leva a outra. Me encafifei com o posicionamento de algumas mulheres em relação à moça daUniban. E de Betty Wright, passando por Geisy Arruda, desemboquei em Angela Davis ,senão me engano, então militante do Grupo Panteras Negras, que lutava pelos direitos civis dos negros americanos, me lembro de uma foto de Angela Davis falando para um campus abarrotado, mesmo com o FBI em seu encalço.
Na viagem do pensamento do texto que naquela altura estava perdendo força, me lembrei de um artigo que li num blog, sobre o crack e a mídia.
O texto saiu nesse bom blog aqui: Abundacanalha.blogspot.com. Como ainda não sei abrir o link, colei o artigo na integra, o autor que me desculpe, esperando que vocês o visite se houver interesse.

O crack e a mídia

Nossos jornalões e as TVs descobriram que o crack tem culpados: é o governo Lula e os favelados. Se derrubar o Lula e tacar fogo nas favelas, tudo se resolve. É o que se conclui das recentes reportagens, e o que dizem alguns comentaristas nos portais de notícias. Em nenhuma matéria há um dedo sobre informações históricas sobre essa droga que efetivamente destrói em pouco tempo seus usuários, e que foi criada para acabar com o forte movimento dos Panteras Negras nos EUA, obra do próprio estado americano. Inventei? Teoria da conspiração? Não. Quem disse foi esta mesma mídia gorda em uma série de reportagens do San Jose Mercury News, assinadas pelo valoroso e premiado repórter Gary Webb, em 1996.

Webb seguiu os passos do caso Irã-Contras, um dos momentos em que, por um descuido, a cortina que encobre o sistema é levantada e podemos ver a fábrica de salsichas funcionando. Simplesmente o governo americano, via sua central de inteligência, vendia armas para seu inimigo aiatolá Komeini e arrumava mais um bom troco no mercado negro de drogas. Tudo para financiar os caros mercenários que combatiam a revolução sandinista. Uma revista em Beirute deu o flagra, espanou o mau cheiro e deu em uma longuíssima CPI no Congresso Americano.

O jornalista fez seu trabalho com competência. Seguiu passos de traficantes, deu nomes, mostrou rotas de tráfico que eram do conhecimento da CIA, e exibiu todo o cenário. Depois, a série foi transformada em livro: Dark Alliance: The CIA, the Contras, and the Crack Cocaine Explosion. Bastou para o mundo cair sobre sua cabeça. Foi acusado por todos os lados de usar falsas fontes, de manipular informações, sua vida virou um inferno. Perdeu o emprego e entrou em lista negra na mídia americana. Morreu em 2004. Segundo a polícia e a mídia, foi suicídio.

Claro, a nossa mídia aqui não lembrou do fato agora. É muito complexo entrar em um terreno tão polêmico. Imagina então pesquisar, que absurdo.

Ah, só um detalhe, certamente sem relevância jornalística: Gary Webb cometeu suicídio com dois tiros na cabeça.


Triste !!!

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Exposição: Que Viva Leminski


Depois de passar pela Casa da Rosas, parte da obra do polaco Leminski, continua exposta pela cidade de São Paulo. O ambiente da vez é o Sesc Consolação.Tudo sobre a curadoria de Ademir Assunção, poeta e jornalista, que um dia ousou dar página inteira para esse blogueiro aqui na Folha de Londrina. Leminski merece.






Amor bastante


quando eu vi você
tive uma idéia brilhante
foi como se eu olhasse
de dentro de um diamante
e meu olho ganhasse
mil faces num só instante
a
basta um instante
e você tem amor bastante
a
um bom poema
leva anos cinco jogando bola,
mais cinco estudando sânscrito,
seis carregando pedra,
nove namorando a vizinha,
sete levando porrada,
quatro andando sozinho,
três mudando de cidade,
dez trocando de assunto,
uma eternidade, eu e você,
caminhando junto

paulo leminski


quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Viva para Paulinho da Viola



A história desse negro
é um pouco diferente
não tenho palavras
pra dizer
o que ele sente.
Tudo aquilo que você ouviu
a respeito do que ele fez
serve pra ocultar a verdade
é melhor escutar outra vez



..guarda comigo
o que não é mais segredo
que esse negro
tem histórias,meu irmão
pra fazer um novo enredo.

trechos de: Uma história diferente, de Paulinho da Viola

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Sem apagão no radinho


Moro numa região de constantes oscilações de energia. Por isso ontem, quando as luzes se apagaram até achei que era parte da festa, que eu mesmo ainda me fazia, com todos se entrelaçando, acendendo velas, em minha causa.
Com a demora da volta da energia, resolvi recorrer ao indestrutível, radinho de pilha, um dos aparelhos de rádio que mantenho em casa. E recorrendo à prática adquirida, em plantões esportivos, transcrições de rádio para o ECAD, resolvi rodar o dial pelas quatro emissoras noticiosas de São Paulo, Jovem Pan, Eldorado, CBN, Band.
Claro ficou, sem trocadilho, que o serviço de rádio escuta delas, claudica.
A Jovem Pan, tinha repórter em Brasília, por conta da reunião de Lula com governadores a respeito do Pré-sal. Mas também utilizou a participação de ouvintes, como sempre faz.
A Eldorado a mesma coisa,e ao longo da noite trouxe os "especialistas. Se utilizou também dos repórteres da casa.
A Band, foi a primeira que trouxe Edison Lobão, Ministro das Minas e Energia,ainda atarantado e fazendo como fizeram, os "especialistas",culparam Itaipu. E mais tarde, Jorge Samek,Presidente de Itaipu, numa entrevista esclarecedora e definitiva sobre o evento. A Band,também utilizou seus repórteres,com entradas de suas casas, das ruas, ágil.E recebeu mensagens de ouvintes via twitter e celulares.
A CBN, foi a primeira a achar os "especialistas". E por fim, Lúcia Hipólito, que advinhem só, colocou a culpa em quem ? quem?Ganha um sorvete de chicória quem advinhar.
Além de culpar Lula, por baixar o IPI dos produtos de linha branca, o que fez com que "o povo comprasse mais aparelhos eletrônicos", Itaipu foi crucificada, por ser a "única", hidrelétrica para o sudeste, e ela relatava se sentir, nos tempos da caverna.
Com a falação dos "especialistas", foi dando sono. Me lembrei do meu pai e de um tio, que ligam o rádio para dormir, e colocam em estações que o apresentador fale sem parar, para que o sono venha, foi o que fiz.
E de manhã meu radinho de pilha, bravo e indestrutível ainda falava sobre o apagão, ligadaço e companheiro. Agora ele vai descansar.
Ah e pelas próximas semanas teremos que aguentar, os..."especialistas", os piores são aqueles em conluio com a gente do Sistema Globo de Comunicações. Esses nem para me fazer dormir, servem. Mesmo porque, no correr com o dial, detectei em meu radinho, solerte, umas emissoras de ondas curtas e médias, tinha até uma que não identifiquei, tocando uns sambas das antigas. Classe A, Classe A,Nêgo, meu radinho.

obs: à pilha,elétrico, radinho sempre foi radinho, sem acento agudo.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

5.1

"Eu quase nada sei. Mas desconfio de muita coisa "
Riobaldo, in Grande Sertão Veredas, de Guimarães Rosa







música para sacolejo



a lua estava assim
o sol daquela forma
fazendo-se as contas
escorpião no ocidente
cão no oriente

algumas das músicas,que eu talvez assovie hoje


Desde sempre foi "Pedrão", para amigos colegas e conhecidos. Para minha mãe sempre é Pedro Geraldo,o nome composto escolhido, como os de minha irmã, e de meu irmão.
Gosto quando Teca, aquela que me atura, usa só a primeira sílaba do primeiro nome. Me sinto querido.
Mas agora ganhei status de "Seo" Pedro, o que me coloca no mesmo clube do meu pai. E a única resolução da idade nova ,é de respeitar por aí ,os que me chamam,"Pedrão", Pedro Geraldo, "Pê", "Seo" Pedro.

música para sacolejo


outra resolução, é tentar tomar coragem para fazer aquela Festa sem motivo, e colocar todo mundo para dançar



meus sapatos em brilho
pelo dia mais iluminado
a alma lavada festiva
esperando

meus dentes em riso
pelo dia mais ensolarado
coração colorido de bandeirolas
assoviando

minha mão pedidos
oração curta silenciosa
diz que faz festa,diz.

para sacolejo

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Pitacos Esportivos


Se o seu time está na ponta da tabela,torça para que o mando de jogo dele não mude para o Mineirão.
O Cruzeiro domingo passado, entrou todo empolgado em campo. Torcida vibrando, jogo em cima do Fluminense, gols,dois, e uma virada espetacular do lanterna.
O Atlético Mineiro entrou todo empolgado. Torcida vibrando, jogo em cima do Flamengo. Aqui parênteses. Atlético Mineiro e Flamengo, tem históricos de bons jogos à partir dos anos 80. Mas vibração, sufoco atleticano e gols, dois...do Flamengo, mais um olímpico de Petkovic. 3 x 1 Flamengo e lá se foi a chance de liderar do Atlético Mineiro, o que poderia acontecer com a derrota palmeirense no Maracanã, meio "mandrake", mas derrota.
Blogueiro diletante, nem recorre a bola de cristal, porque o líder agora, é o time acostumado com a ponta da tabela e que saber ganhar jogos com inteligência. Talvez o Flamengo ainda dê uma à disputa. Ao Palmeiras resta reencontrar um pouquinho do futebol que o deixou 19 rodadas à frente dos adversários.

Calango VASCAÍNO
composição de um vascaíno, Martinho da Vila

domingo, 8 de novembro de 2009

O que bastava

Sade Adu
Alinhar ao centro
Me bastava ter sido o camareiro do hotel em Barcelona, onde ela se refugiou,dizem, esperando por alguém que nunca apareceu (N.R. Não é só em instituição universiotária,que sujeitinhos não se dão bem com mulheres). Criando à partir dali uma linha descendente,na vida e na carreira musical dela.
Como camareiro do andar,eu teria entrado pé ante pé,colocado a bandeja de chá numa mesa de canto,aberto um pouco as cortinas. Talvez até,com a permissão dela leria um trecho de T.S. Eliot.

O escuro escuro escuro. Todos mergulham no escuro,
Nos vazios espaços interestelares, no vazio que o
[ vazio inunda,
Capitães, banqueiros, eminentes homens de letras,
Generosos mecenas de arte, estadistas e
[ governantes,
Ilustres funcionários públicos, presidentes de vários
[ comitês,
Magnatas da indústria e pequenos empreiteiros, todos
[ mergulham no escuro,
E escuros o Sol e a Lua, o Almanaque de Gotha,
A Gazeta da Bolsa, o Anuário dos Diretores,
E frio o sentido e perdido o fundamento da ação,
E todos os seguimos no silente funeral,
Funeral de ninguém, pois a ninguém há que enterrar.
Eu disse à minh'alma, fica tranqüila, e deixa baixar o
[ escuro sobre ti,
Pois que aí tudo será treva divina. Como num teatro,
As luzes se apagam para a troca de cenários
Com um côncavo ribombo de asas, com um movimento de treva sobre treva,
E sabemos que as colinas e as árvores, o distante
[ panorama
E a soberba fachada altiva estão sendo arrastados
[ para longe
— Ou quando, no metrô, um trem se demora entre
[ duas estações
E as conversas se animam e lentamente no vazio
[ tombam
E vês por detrás de cada rosto aprofundar-se o vazio
[ mental
Que semeia apenas o crescente terror de nada haver
[ em que pensar;
Ou quando, sob o éter, o pensamento é consciente,
[ mas consciente de nada —
Eu disse à minh'alma, fica tranqüila, e espera sem
[ esperança
Pois a esperança seria esperar pelo equívoco; espera
[ sem amor
Pois o amor seria amar o equívoco; contudo ainda
[ há fé
Mas a fé, o amor e a esperança permanecem todos à
[ espera.
Espera sem pensar, pois que pronta não estás para
[ pensar:
Assim a treva em luz se tornará, e em dança há-de o
[ repouso se tornar.

Neste novembro, com o inferno astral fervendo e quicando na cabeça de neguinho babão, e tristes e equivocadas manifestações pelos trópicos, de ex- intelectuais, que já pediram para serem esquecidos, e outros que sequer deveriam ter sido alcunhados de, é prometida a volta dela em cd. Espero que ela tenha encontrado alguém bacanudo como Leroy Osbourne. Alguém que faça backing vocals swingados e a tire para dançar na vida.




quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Preparando 5.1

1 eu lembro da última pergunta do meu avô
2 eu lembro do iran jogando bola na rua andirá
3 eu lembro do dia em que vi marcello nunes pela primeira vez
4 eu lembro do dia que o adilson me presenteou com cds do paulinho da viola
5 eu lembro que roupa silvia higa vestiu num 15 de novembro dos anos 80
6 eu lembro da doris numa loja da vila madalena
7 eu lembro de caminhar, caminhar,pelo centro da cidade com o sidnei brito
8 eu lembro do dia que levei o jose antonio para ver uns filmes do julio bressane
9 eu lembro quando vi o zé,o irmão da teca,e o edmilson pela primeira vez
10 eu lembro de um sábado em macapá
11 eu lembro da letícia nas mesas da fau-usp
12 eu lembro do paulinho encharcado no pacaembu
13 eu lembro do miguel maia num show da rita lee no ibirapuera
14 eu lembro da vera regina num show do earth wind and fire no ibirapuera
15 eu lembro de uma carta que alcina campos me escreveu
16 eu lembro a primeira vez que vi luciana spegni,rindo,sorrindo
17 eu lembro quando o cardoso disse que o poema escrito às pressas era bom
18 eu lembro de um sábado que passei com marcelo monteiro de melo gravando nosso papo
19 eu lembro de um sábado que a dona odete nos levou à feira do verde de brasília
20 eu lembro quando o josé vieira descia as rampas da puc
21 eu lembro da kátia na faap
22 eu lembro de um 31 de dezembro que só tinha eu na sala de cinema
23 eu lembro de dançar com a erodíades numa festa não sei onde
24 eu lembro de denise e deise,duas gêmeas do primário
25 eu lembro de um gol do serginho,do são paulo no pacaembu
26 eu lembro de jogar bola numa praia do ceará
27 eu lembro do dia que vi romão robles olhando o crepúsculo no prédio da abril
28 eu lembro do desfile da chão de estrelas em londrina
29 eu lembro das conversas com daniel lescano
30 eu lembro da lúcia confirmando que meu poema,escrito às pressas,tinha algum valor
31 eu lembro da viagem com o emílio para o rio de janeiro,para ver o corinthians no maracanã
32 eu lembro da minha avó rosa perguntando se meu cabelo ia ficar grande para sempre
33 eu lembro de um show do djavan que fui com a soninha
34 eu lembro o camarão que fátima fez para mim
35 eu lembro do mauro falando do camisa de vênus
36 eu lembro das meninas do colégio mãe de Deus de Londrina
37 eu lembro do perfume de lúcia amélia
38 eu lembro quando marcilene falou de um cantor de nome, jorge vercilo
39 eu lembro das poucas mas, interessantes conversas com jefferson francisco
40 eu lembro da tãnia grávida do gabriel
41 eu lembro dos aniversários da família da teca
42 eu lembro do show do golpe de estado no centro cultural
43 eu lembro da cristina, então mastrocessário, andando pela rua maria candida
44 eu lembro do domingo que o zé,amaral falou da tânia
45 eu lembro solange
46 eu lembro ainah
47 eu lembro ayse
48 eu lembro amany
49 eu lembro ruy
50 fruto de uma benta pedra carvalho silva,de mesma cor rosa sérgio
51 eu lembro da teca falando.."Então tá...vou pensar "



uma música nada a ver.deu vontade de colá-la aqui. acho que fiquei saudosista. desculpem o excesso de sacarina